sábado, 31 de janeiro de 2015

Betinho Rosado destinou R$ 285 milhões em emendas para o estado‏

O deputado federal Betinho Rosado (PP), encerra o seu quinto mandato no próximo domingo (1º) com uma grande marca. Em 20 anos de atuação na Câmara Federal, ele destinou R$ 285 milhões em emendas ao Orçamento Geral da União para municípios de todas as regiões do Rio Grande do Norte. Nesta conta, também estão os valores das emendas de bancada incluídas no orçamento por indicação do deputado, como os R$ 26 milhões destinados aos hospitais regionais em 2015.


Dos R$ 285 milhões, R$ 130 milhões são de emendas individuais destinadas a 81 municípios para realização de obras e manutenção de serviços importantes, como transporte escolar, construção de escolas, unidades de saúde, centros cirúrgicos, centros de idosos, de lazer e turismo, praças, drenagem e pavimentação de ruas, esgotamento e saneamento, ginásios de esportes, estádios de futebol, casas populares, abatedouros, açudes, barragens, adutoras e sistemas de abastecimento d’água.

Entre os investimentos realizados com o apoio de suas emendas, Betinho Rosado destaca ainda o saneamento básico de Mossoró, a construção do Ginásio Municipal Pedro Ciarlini e o investimento em eventos como o Mossoró Cidade Junina. Além disso, por meio da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), o deputado destinou recursos para a construção do Centro Tecnológico do Sal e do Centro Tecnológico de Capacitação em Apicultura, cujos projetos estão sendo elaborados.


OBS: Seguem anexas algumas imagens de obras realizadas com emendas de Betinho
Rosado.


Tubarão é encontrado morto na Praia do Futuro em Fortaleza

Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação
Um tubarão, com cerca de 2 metros, foi capturado na manhã da última sexta-feira, 30, próximo à margem na Praia do Futuro, em Fortaleza, na altura do Posto 1, considerado como início da orla, informa o site do do jornal O Povo.
O animal foi encontrado por volta das 10h, morto, apesar de não apresentar marcas de ferimento pelo corpo. O major Cláudio Barreto diz que o fato é preocupante, levando em conta que a área é de grande movimentação no litoral de Fortaleza.
O jornal frisa que no início da semana, o Corpo de Bombeiros recebeu diversas denúncias sobre tubarões avistados por populares na Praia de Iracema.

Beto Rosado já está em Brasília para tomar posse


O deputado federal diplomado Beto Rosado (PP) já está em Brasília, onde será empossado neste domingo (1º), para o seu primeiro mandato na Câmara dos Deputados. A sessão está marcada para as 10h da manhã, horário de Brasília, e será realizada no plenário da Casa, com transmissão ao vivo para todo o Brasil pela TV Câmara. Acompanhando o novo deputado, estão a esposa Katherine, a mãe Mary Barrocas e o pai Betinho Rosado.

VÍDEO: VICE NÃO ACEITA DERROTA E ARRANCA COROA DA MISS AMAZÔNIA


A edição 2015 do concurso Miss Amazonas terminou em confusão na noite de sexta-feira (30). Ao ouvir o resultado, que deu a vitória à Carol Toledo, a segunda colocada, Sheislaine Hayalla, arrancou a coroa da vencedora. A reação da vice causou tumulto e corre-corre no Centro de Convenções Vasco Vasques - Zona Centro-Oeste de Manaus -, onde foi realizado o concurso.
 Sheislane disse que não aceitou o resultado. "Simplesmente, em Manaus, é o dinheiro que manda e eu estou mostrando para o povo amazonense que o dinheiro não manda aqui. Ela não mereceu!", reclamou a concorrente.
A reportagem chegou a procurar a organização do concurso, que não quis falar sobre o ocorrido e nem sobre uma possível punição a Sheislane. As finalistas do segundo ao quinto lugar devem participar de concursos ao longo do ano.
Vitoriosa, Carol não fala sobre "coroa arrancada"
A vencedora não quis comentar a confusão e preferiu falar sobre a vitória. "É uma emoção inexplicável. Eu não tenho palavras para descrever o que estou sentindo. É um frio na barriga muito gostoso. É uma honra poder representar o meu estado no Miss Brasil. Eu vou honrar com toda a garra e o povo amazonense vai ter muito orgulho de mim", garantiu.
Fonte: G1 VEJA O VÍDEO Extraído do blog VEC ARTIGOS E NOTÍCIAS



COMVITE DO SINDMEL.

Anúncio


O SINDMEL CONVIDA AS SENHORAS DIRETORAS E DIRETOR DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE SERRA DO MEL PARA UMA REUNIÃO NA PRÓXIMA SEGUNDA FEIRA, DIA 02/02/2015 AS 9:00hs NA SEDE DO MESMO, PARA TRATARMOS DA SITUAÇÃO DO NÃO REAJUSTE NOS SALÁRIOS DOS PROFESSORES MUNICIPAIS ANUNCIADO PELO SR, PREFEITO. AS DIRETORAS SÃO; NETINHA E ROBERVALDA, POLO VILA PARAÍBA, CEICINHA E JURACI, POLO VILA BAHIA, SALES E WENIA, POLO VILA R,G. DO NORTE, WIGNA E OZINETE, POLO VILA GOIÁS, VALERIA E CEIÇÃO NOGUEIRA DA CRECHE E VALTERLEIA E MARIA OZINETE, POLO VILA GUANABARA, ALÉM DA REP, DA CATEGORIA NO SINDMEL, AKINOÃ COSTA.
SAUDAÇÕES SINDICAIS; FCO ANDRE - PRESIDENTE

Velejador é resgatado após ataque de tubarões em alto mar

Navio-Patrulha Macau foi acionado para o resgate do velejador

A Marinha, através do Comando do 3º Distrito Naval (Com3ºDN), realizou o resgate de um velejador que estava à deriva, a mais de 1.000 quilômetros da costa. A expectativa é que o velejador chegue a Natal na segunda-feira (2), às 9h30, no navio que realizou o resgate. O tripulante resgatado está bem. 

No final da tarde do dia 28, por meio da Guarda Costeira da Holanda, a Marinha recebeu o sinal de alerta do veleiro “Ad Infinitum”, com um tripulante a bordo. Diante da informação, foi determinado que o Navio-Patrulha “Macau”, que estava atracado na Base Naval de Natal se deslocasse para a área. Para auxiliar nas buscas, a Marinha encaminhou também uma aeronave que estava em Salvador (BA) para colaborar nas buscas. O contato foi estabelecido com o veleiro na quinta-feira (29).

O tripulante, identificado como Ebrahim Hemmatnia, relatou que a embarcação foi atacada por um cardume de tubarões, provocando avarias no leme e escotilha, deixando-a à deriva. 
A embarcação da Marinha e a aeronave realizaram contato com o Barco Pesqueiro "OULED SI MOHAND", da empresa “Europesca”, que se encontrava nas proximidades do local, que resgatou o tripulante, prestando apoio até a chegada do Navio-Patrulha "Macau", na noite de ontem (30).

Tribuna do Norte

Horário de verão 2014/2015 termina no dia 22 de fevereiro

relogio
O horário de verão 2014/2015 que teve início no terceiro domingo de outubro de 2014, termina em 22 de fevereiro, data em que os relógios terão de ser atrasados nas regiões que aderiram à medida .

A data estipulada para o encerramento do horário de verão é sempre o terceiro domingo de fevereiro, mas nos casos em que coincide com o carnaval é adiado para o próximo final de semana, como acontece em 2015 em que o carnaval será celebrado no dia 17 de fevereiro.

PSDB FORMALIZA APOIO A LUÍS HENRIQUE CONTRA RENAN.

.

A bancada do PSDB no Senado formalizou na tarde deste sábado apoio à candidatura do senador catarinense Luiz Henrique da Silveira, nome dissidente do PMDB para enfrentar Renan Calheiros na eleição para a presidência do Senado. “Não estamos lançando um candidato da oposição. Luiz Henrique é um candidato da instituição”, disse o senador Aécio Neves (MG), presidente do PSDB. Nesta sexta, Aécio já havia sinalizado que os tucanos não endossariam a reeleição de Renan, favorito para assumir o quarto mandato na Casa e se igualar a José Sarney (PMDB-AP), o mais longevo na cadeira. “A candidatura de Luiz Henrique atende à mesma aspiração da candidatura de Júlio Delgado na Câmara: não termos um Legislativo submisso, submetido às vontades do Palácio do Planalto”, disse nesta sexta.

Fonte: Silvio Navarro/http://veja.abril.com.br/

DEPUTADOS DO RN TOMAM POSSE NESTE DOMINGO, DEPOIS ELEGEM O NOVO PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA

Neste domingo dia (1º), os 24 deputados eleitos no dia 5 de outubro de 2014 no Rio Grande do Norte, tomam posse para a 61ª legislatura.

A Sessão Preparatória está marcada para as 16h, no Palácio José Augusto, sede da Assembleia Legislativa do do Estado. Na mesma data os parlamentares elegem a nova Mesa Diretora da ALRN para o biênio 2015-2016.

Pela primeira vez não haverá recesso entre a sessão preparatória e o início dos trabalhos legislativos. De acordo com o texto atualizado da Constituição Estadual, “A Assembleia Legislativa reunir-se-á, anualmente, na Capital do Estado, de 2 de fevereiro a 17 de julho e de 1º de agosto a 22 de dezembro”.

Eleitos

Dos 24 eleitos, 15 foram reconduzidos para mais quatro anos de mandato na ALRN:
Agnelo Alves (PDT), Ezequiel Ferreira (PMDB), Fernando Mineiro (PT), George Soares (PR), Getúlio Rêgo (DEM), Gustavo Carvalho (PROS), Gustavo Fernandes (PMDB), Hermano Morais (PMDB), José Dias (PSD), Kelps Lima (PS), Márcia Maia (PSB), Nelter Queiroz (PMDB), Raimundo Fernandes (PROS), Ricardo Motta (PROS) e Tomba Farias (PSB).

Os nove deputados novatos são: Albert Dickson (PROS), Álvaro Dias (PMDB), Carlos Augusto Maia (PT do B), Cristiane Dantas (PC do B), Dison Lisboa (PSD), Galeno Torquato (PSD), Jacó Jácome (PMN), José Adécio (DEM) e Souza (PHS).A região do Seridó vai perder uma cadeira, a do deputado por várias legislatura Vivaldo Costa, que mesmo tendo sido muito bem votado não conseguiu sua reeleição. O papa deixa aquela casa na condição de 1ª suplente.

RN tenta superar obstáculos para explorar potencial da energia eólica

Produção do RN responde por 30% da geração de energia eólica no país.
Infraestrutura para expansão tem avanços, porém, enfrenta problemas.

Felipe Gibson e Fred Carvalho Do G1 RN
Em São Miguel do Gostoso, a praia divide o cenário com os aerogeradores (Foto: Felipe Gibson/G1)Em São Miguel do Gostoso, a praia divide o cenário com os aerogeradores (Foto: Felipe Gibson/G1)
Posicionado na chamada "esquina do continente", o Rio Grande do Norte é responsável pela maior produção de energia eólica do Brasil, pouco mais de 30% do total, mas ainda patina nas tentativas de aproveitar todo o seu potencial e colocar a eletricidade gerada a partir dos ventos como alternativa real no país -- uma oportunidade reforçada após o apagão da última semana.
Investidores do setor alegam que o atraso na construção de linhas de transmissão e uma estrutura melhor no porto de Natal para escoar equipamentos que compõem os parques eólicos são empecilhos para o desenvolvimento.

O RN possui 67 parques eólicos, que produzem comercialmente 1,79 gigawatts de energia, segundo levantamento do Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energias Renováveis (Cerne). Dos mais de 130 gigawatts produzidos no país, a imensa maioria vem de hidrelétricas e termelétricas. Os parques eólicos no Brasil inteiro ainda respondem por uma parcela de 3,5%, segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
Na Dinamarca - país tido como referência no setor - esse índice chega a 43%. A meta do país, de acordo com a Agência de Energia Dinamarquesa, é chegar a 2050 produzindo somente energia e calor limpos, eliminando as emissões de dióxido de carbono. Lá, o problema das linhas de transmissão foi resolvido com a construção de cabos subterrâneos.
O Brasil planeja aumentar a produção de energia por fontes renováveis. Segundo o Plano Decenal de Expansão de Energia 2023, do Ministério de Minas e Energia, as energias eólica e solar devem registrar crescimento de 8% nos próximos anos.
Vantagens ambientais
Hugo Alexandre, diretor executivo da Bioconsultants, empresa que presta consultoria ambiental para empresas de energia eólica, diz que termelétricas e hidrelétricas de fato geram mais eletricidade. Mas o diferencial da energia gerada a partir dos ventos está atrelado aos impactos ambientais.
"Toda e qualquer atividade vai gerar impacto, principalmente se for na geração de energia. O importante é sempre tentar casar a geração de energia com a nova política mundial colocada, que é a política da sustentabilidade", afirma Hugo Alexandre. Com base nessa ideia, ele compara a geração de energia eólica com as demais fontes da matriz energética.
Alexandre detalha que os parque eólicos ocupam uma média de 30% a 40% das terras em que são instalados, não geram resíduos e causam pouco desmatamento se comparado às demais fontes da matriz energética. "A eólica convive com outras atividades como pecuária, agricultura e preservação do meio ambiente. É comum você ter em cima as torres gerando em cima e as plantações embaixo. A comunidade e o proprietário da terra podem utilizar a área tranquilamente", conta.
Bacia dos ventos
A vocação natural do RN se explica pela localização na "esquina do continente". O diretor-presidente do Cerne, Jean-Paul Prates, explica que o estado fica no caminho de uma bacia de ventos e é provavelmente um dos melhores lugares do mundo para a energia eólica. "É uma formação regular de ventos que vêm do Atlântico Sul, batem na costa africana e acabam na ponta do Brasil, onde o RN está", observa.
Especializada em energias renováveis, a empresa francesa Voltalia foi uma das que aterrissou no Rio Grande do Norte para explorar os ventos. Com 15 projetos contratados por meio de leilões organizados pelo governo federal, o diretor geral da empresa, Robert Klein, afirma que os investimentos não devem parar por aí.
"Já investimos cerca de R$ 400 milhões e no conjunto de todos os projetos devemos chegar a um valor entre R$ 1,8 bilhão e R$ 2 bilhões. Queremos ampliar os parques e estamos estudando participar de novos leilões", afirma.
Voltalia iniciou operação do parque eólico de Areia Branca no fim do ano passado (Foto: Divulgação/Voltalia)Voltalia iniciou operação do parque eólico de Areia Branca no fim do ano passado (Foto: Divulgação/Voltalia)
A Voltalia iniciou em novembro deste ano a operação comercial de um dos três projetos do complexo eólico de Areia Branca, no litoral Norte potiguar. A empresa já começou a construção de oito parques nos municípios de Serra do Mel e São Miguel do Gostoso, também no litoral Norte. Outras quatro usinas estão contratadas para serem implantadas em Serra do Mel.
  •  
Visual nas margens das estradas traz aerogeradores no RN (Foto: Felipe Gibson/G1)Visual nas margens das estradas é repleto de
aerogeradores (Foto: Felipe Gibson/G1)
Expansão
As empresas que atuam no Rio Grande do Norte planejam se expandir no estado. Levando em conta a operação de todos os projetos, está prevista para os próximos anos a geração de mais de 4 gigawatts, segundo previsão da Aneel.

Atualmente, o destaque fica por conta da região do Mato Grande, onde estão os municípios de João Câmara e Parazinho, cidades com a maior parte dos projetos funcionando comercialmente, além dos parques em construção e contratados.
Fora as regiões localizadas no litoral ou próximas dele, o estado também possui projetos em construção em regiões serranas, onde a força e constância dos ventos são influenciadas não pela proximidade do mar, mas sim pela altitude. A região chamada de Serra de Santana, onde estão as cidades de Lagoa Nova, Bodó, Santana do Matos, Florânia e Tenente Laurentino Cruz, também aparece no mapa eólico do estado.
O processo
Toda a energia produzida, independente da fonte, vai para as redes do Sistema Interligado Nacional. O diretor de Energia Eólica do Cerne, Milton Pinto, costuma fazer uma analogia para explicar a distribuição da energia no país (veja o vídeo).
"É semelhante a uma grande piscina em que as fontes jogam água. Cada uma joga um tipo de água. A água da piscina será um mistura de cores que representa energia elétrica consumida no final", diz.
O processo de geração de energia eólica começa quando o vento atinge o aerogerador. De acordo com o professor Alexandro Vladno, coordenador do curso de energias renováveis do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), o fluxo de ar faz as pás girarem, gerando um movimento mecânico (veja o vídeo).
Rocha acrescenta que um gerador transforma a energia mecânica em elétrica. A eletricidade então segue para o transformador e é adequada para entrar na rede elétrica. Na subestação, o nível de tensão é adaptado para chegar ao consumidor.

Atrasos em linhas de transmissão
Dono da maior potência eólica instalada em todo o país, o Rio Grande do Norte tem como principais concorrentes para atrair projetos os estados da Bahia, Ceará e Rio Grande do Sul. A presidente da Associação Brasileira Energia Eólica, Elbia Melo, explica que os leilões têm se tornado cada vez mais competitivos e que a questão da infraestrutura tem pesado.
Atrasos nas linhas de transmissão deixaram projetos parados no RN (Foto: Felipe Gibson/G1)Atrasos nas linhas de transmissão deixaram
projetos parados (Foto: Felipe Gibson/G1)
No caso do RN, a perda de espaço em alguns leilões tem uma causa específica apontada por especialistas: o atraso na entrega das linhas de transmissão – responsáveis por levar a energia gerada nas usinas para as redes distribuidoras da eletricidade.
Embora acredite que a demora na entrega das linhas tenha sido um fator de desequilíbrio em leilões pontuais, a presidente da Abeeólica não acha que os dados sejam tão relevantes.
"Os leilões estão extremamente competitivos. Vencem os que possuem melhores condicões de infraesturura, onde entram as linhas de transmissão. Esse atraso colocou o Rio Grande do Sul um pouco a frente dos estados do Nordeste em alguns leilões porque lá as linhas de transmissão já estavam construídas", analisa Elbia Melo.

Logística
A infraestrutura do Rio Grande do Norte para receber os projetos também é um dos alvos de questionamentos nas discussões sobre energia eólica. O material usado na construção dos parques chega em navios e é transportado em carretas, que acompanhadas pela escolta de batedores, chegam até os empreendimento para serem montados. Por serem equipamentos pesados, as torres e pás usadas nos aerogeradores precisam de espaço para serem escoados. É aí onde, segundo investidores, reside um dos problemas.
Por estar localizado em um bairro de ruas estreitas como a Ribeira, na Zona Leste da capital, o porto de Natal exige uma logística mais complexa para o transporte dos equipamentos.
"É um porto confinado por terra", afirma o diretor geral do Cerne, Jean-Paul Prates. A falta de espaço também impede o desenvolvimento da cadeia produtiva no entorno, como acontece nos portos de Pecém, no Ceará, e Suape, em Pernambuco, constantemente escolhidos como pontos de transporte de carga dos parques eólicos instalados no RN.
Para a presidente da Abeeólica, Elbia Melo, a questão portuária é o que falta para um salto ainda maior do Rio Grande do Norte no setor. "Não é um porto adequado para este tipo de operação. São máquinas grandes, pesadas e que requerem um cuidado especial. A logística é um ponto muito importante. Tanto que os portos maiores atraem muitos fabricantes de equipamento. O porto de Natal não tem condições físicas para receber o tipo de carga que um empreendimento eólico movimenta", opina.
Postagens mais antigas Página inicial